Ir para o conteúdo Ir para o menu Ir para a busca Ir para o rodapé
Pará
Educação a distância cresce como alternativa aos brasileiros

Publicado em: 10 Jan 2017 | EAD

Dos cursos por correspondência, passando pelas teleaulas, até chegar à educação pela Internet. A modalidade e ensino a distância (EAD) não é algo novo no Brasil e vem se fortalecendo ao longo dos anos pela capacidade de acompanhar mudanças, com objetivo de tornar cada vez mais democrático o acesso ao conhecimento.

O mais recente Censo EAD.BR, publicado pela Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed) em 2016, aponta que a modalidade contabilizou 5 milhões de alunos em 2015, representando um crescimento de 1,1 milhão em comparação ao ano anterior.  Os dados mostraram que a conciliação de estudo e trabalho é frequente entre os estudantes da EAD, sendo presente na realidade de 70% dos alunos de instituições privadas com fins lucrativos consultadas pelo censo.

>>Senac está com inscrições abertas para cursos de pós-graduação a distância. CLIQUE AQUI e saiba mais.

Também segundo o levantamento, as mulheres aparecem em maioria na educação a distância, representando 56%. Com relação a faixa etária, enquanto os cursos presenciais têm 63% dos estudantes entre 21 e 30 anos, a EAD se mostra mais abrangente, concentrando 49% dos alunos entre 31 e 40 anos e 42% entre 21 e 30 anos.

"Percebemos que a EAD vive não apenas um momento de expansão, mas também de independência, no sentido de não se comparar tanto ao ensino presencial. Inclusive, temos acompanhado diversas estratégias de EAD que começaram a ser implantadas em cursos presenciais, como a inovação no uso de conteúdos variados, vídeos, diferentes ambientes de aprendizagem, metodologias e tecnologias diferenciadas", disse Betina von Staa, responsável pela coordenação técnica do censo da Abed.

A possibilidade de escolher o horário e local para estudar é um dos maiores atrativos da educação a distância, que se mostra como uma conveniente opção a quem procura novos desafios para crescer profissionalmente, adquirir conhecimento e desenvolver seu potencial.

De acordo com a Coordenadora de Desenvolvimento Educacional do Senac no Pará, Patrízia Galiza, é preciso desenvolver estratégias tecnológicas e pedagógicas para quebrar as barreiras da resistência que algumas pessoas ainda têm com relação à modalidade. “ No Senac, que possui uma Rede Nacional de Educação a Distância, existe um grande empenho em difundir os cursos EAD. As principais estratégias são: a utilização de um ambiente virtual de aprendizagem colaborativo, com uso de várias mídias cooperativas e interativas (chat, fóruns, webconferências, etc.), além de recursos multimídia, bem como o uso de tutoria para reduzir a sensação de isolamento do aluno. O material didático também é diferenciado, próprio para quem estuda de forma autônoma”, explica.

O pedagogo Jamerson Vieira mora no município de Capanema, nordeste paraense, e fez o curso de Pós-Graduação em Gestão Escolar pela Rede Senac EAD. Ele conta que escolheu a modalidade pela possibilidade de estudar nos horários mais convenientes. “O curso EAD possui uma flexibilidade maior do que cursos presenciais, pois o aluno pode estudar a qualquer momento e em qualquer lugar, a realização das atividades fica a cargo do estudante, porém ele deve estar atento aos prazos e ter autodisciplina. Outros aspectos que considerei foram a metodologia de ensino bastante dinâmica, e o reconhecimento do curso pelo Ministério da Educação”, descreve o ex-aluno.

Com informações do Pórtal Senac EAD
Edição de texto: Daniele Brabo/Senac Pará
Foto: Senac Pará



Em caso de dúvidas, entre em contato através de nossa Central de atendimento ou através de nossa fanpage no Facebook.




Mais notícias

Mais notícias



Em caso de dúvidas

Entre em contato conosco.

0800 701 4492
atendimento@pa.senac.br